14/06/2010

Náufrago dos Tempos: o álbum que Colin não pôde desenhar para mim.


Na postagem anterior, em homenagem aos 80 anos do mestre Flavio Colin, referi-me a um álbum que eu planejava realizar com ele. Infelizmente, porém, a falta de recursos e a repentina morte do grande artista de nossos quadrinhos impediram que produzíssemos o primeiro volume de “Náufrago dos Tempos”.

A ideia era realizar uma série de álbuns, cada um passado em um momento de nossa História, narrando a saga de Francisco Boaventura, um navegador português que, numa viagem ao Brasil em 1533, naufraga próximo à nossa costa. Único sobrevivente de seu navio, Francisco desperta numa paradisíaca praia brasileira. Encontrado e acolhido por índios tamoio, ela acaba se casando com a filha do chefe, que será o grande amor de sua vida. Quando, porém, sua amada e sua tribo adotiva são mortos, o desafortunado herói descobre que ele próprio não morre, tampouco envelhece. Começam então as aventuras e desventuras de Francisco pelos séculos que se seguem.

O primeiro capítulo da série, começaria nos tempos atuais, num baile de Carnaval (a imagem que ilustra esta postagem não tem relação com “Náufrago dos Tempos”, mas tem a ver com o tema, já que nela Colin desenhou para mim personagens imortais num baile de máscaras). Entre uma caipirinha e outra, Francisco vê uma bela moça fantasiada de índia que lhe faz lembrar de sua amada tamoio. Tudo isso é um pretexto para Francisco contar sua história para a moça no baile de Carnaval e, é claro, para os leitores.

Já que esta série em quadrinhos “ficou para a História”, aproveito para compartilhar com vocês as primeiras linhas de diálogo, escritas há dez anos. Ficam a título de curiosidade, como uma das muitas HQs que não pude realizar, e o álbum que Colin não pôde desenhar para mim.

Náufrago dos Tempos - Capítulo 1:

A: Olá! Notei que você estava me olhando...

F: É que, por um instante, eu a confundi com alguém que conheci... há muito tempo.
F: Desculpe, eu não quis importuná-la.

A: Deixe disso! Não precisa se desculpar. É Carnaval... as pessoas se confundem mesmo. HA!

A: Meu nome é Andréia.
F: Eu sou Francisco Boaventura.

A: Muito prazer, Francisco. Mas qual é a sua fantasia? Hoje eu sou uma índia Tupiniquim.
A: Você sabe, uma “devoradora de homens”!

F: Bem, digamos que eu estou fantasiado de um imortal que já vive há 500 anos.
A: “Imortal”!? Essa é nova! HA!

A: Eu achava que só o Paulo Coelho e aqueles velhinhos podiam se fantasiar de imortal!
F: É que existem tipos diferentes de imortais.

F: Quer ouvir uma história?
A: Você me paga um drink?
F: Garçom!

F: Vamos lá...
F: Vim ao mundo num dia esquecido do Ano da Graça de Nosso Senhor de 1500.

F: De família fidalga, tive o infortúnio de nascer o filho mais moço de minha casa. E sem as benesses da primogenitura, restou-me conquistar meu próprio destino.

F: Fiz-me assim homem do mar.
F: Naufraguei nas costas brasileiras.
F: Morri aos 33 anos.

F: Mas, por meios e para fins que desconheço, voltei à vida.
F: E tenho vagado de povoado em povoado, de porto em porto, pelos dias e séculos que se seguiram, como um náufrago dos tempos!

(...)

10 comentários:

Lillo Parra disse...

Srbek,
Isso ficaria fantástico. A idéia é sensacional e, nas mãos do mestre, se tornaria um clássico.
Estive na HQMix esta noite, aqui em Sampa, e fiquei de bate papo com o Gualberto - um dos donos - que era amigo do mestre. Ele contou algumas histórias e só aumentou a admiração pela figura genial que foi Flavio Colin.
Uma pena vocês não terem tido o tempo necessário. Fica a homenagem.
Grande abraço.

Wellington Srbek disse...

Pois é, Lillo, este primeiro capítulo de "Náufrago dos Tempos" - com caravelas, navegantes portugueses, índios brasileiros e praias tropicais - teria ficado fantástico no traço do grande Colin. Tanto que, com sua morte, desisti de continuar o projeto desta HQ.
Abraço!

Do Vale disse...

Acho que deveria levar em frente esse projeto. Poderia até servir como uma homenagem ao Flavio Colin.
Também tenho uma ideia guardada há um bom tempo, e um dia vou desenvolvê-la: Murilo Mendes é um português rico e fanfarrão que viaja pelo Brasil do século XIX, e suas aventuras seriam contadas em forma de cartas para o filho pequeno.
Um dia, quem sabe... =D

Wellington Srbek disse...

Olá Do Vale,
Já fiz uma homenagem a Colin em outro trabalho e este projeto não faz parte dos meus planos atualmente. Mesmo porque, ideias para novas HQs não me faltam - o que costuma faltar é tempo e dinheiro para investir nelas.
Abraço e boa sorte no seu projeto!

Luhan Dias disse...

Eu podia jurar que Muiraquitã que era o álbum que queria fazer com o Colin. Errei feio...

Wellington Srbek disse...

Pois é, rapaz, na verdade Muiraquitã foi feito em homenagem ao mestre Colin; foi uma espécie de "trabalho de luto" pela morte dele. Sabe o personagem Cornelius Flamarion? Pois é...

kris zullo disse...

cacetada...
dessas parcerias q só funcionam nesse time. imagino q seria mais um clássico da hqbrasileira, como acho q são estórias gerais (talvez em maior importância q a seguinte, mas não sei bem quantificar importâncias) e fantasmagoriana. tive a mesma reação qdo me deparei com as duas obras. "ual!!! colin!!! caraia... srbek!!! como sempre faço qdo me deparo com obras q me instigam, coloco embaixo do braço e continuo zapeando a livraria/gibiteria.
enfim... projetin q foi junto com o mestre. novos não te faltam. e espero com todas as forças q consiga publicar via alguma editora sensata as páginas e histórias curtas q tem do colin.
grande abraço!!
ah é né... acho q já nem preciso te dizer q a trama desta hq "encapsulada no tempo" (q já traz isso no nome né?) é ducaceta. puta idéia batuta. e tenho por muito certo, e agora posso dizer q conheço bastante coisa do teu material, q desdobraria a história em bela narrativa.
vamos q vamos. grande abraço!

Wellington Srbek disse...

Pois é, Kris, mais uma dessas ideias e projetos que se perderam com as ondas do tempo...
Mas, ainda tenho algumas boas ideias aqui na algibeira. Algumas delas, aliás, cairiam bem no traço de um certo amigo aí de SP, que é um dos desenhistas mais versáteis e talentosos que conheci nos últimos tempos. Sabes de quem estou falando, né? Pois é, tatu!

Caio Murdock disse...

Hum, se eu não me engano, estão pra lançar um filme em animação com esse mesmo enredo. Não sei se é uma adapatação, uma homenagem a Flavio Colin. O título do filme é "Lutas", e é uma produção nacional.

http://lugar-distante.blogspot.com/2009/08/lutas-o-filme.html

Acima, o link de uma postagem que fiz no LugarDistante, com o trailer de "Lutas".

Não sei se estou me confundindo de alguma forma, gostaria que o senhor verificasse isso...

No mais, até a próxima!

Wellington Srbek disse...

Olá Caio,
Sim, você fez uma pequena confusão, pois "Náufrago dos Tempos" era um história minha que eu pretendia fazer com o Colin. Ela jamais tinha sido divulgada antes desta postagem. Então, a animação de que falou não é uma "adaptação" ou "homenagem" ao Colin (mesmo porque o grande mestre não chegou a trabalhar no meu projeto).
Pelo que percebi em sua postagem, o que aconteceu foi uma tremanda coincidência nos enredos da minha HQ (que jamais foi realizada) e esta animação que estão produzindo.
Mas essas cincidências acontecem! Uma vez assisti a um curta metragem cuja história era muito semelhante à da minha HQ "Numa Madrugada", pois ambas envolviam um taxisita e uma loira-fantasma; só que eu não conhecia o curta quando fiz a HQ e os autores do curta não conheciam minha HQ quando o fizeram.
Valeu!