10/06/2010

Os 80 anos de Flavio Colin!


No próximo dia 22, completam-se 80 anos do nascimento de Flavio Colin, o maior desenhista da história dos quadrinhos brasileiros e um dos mais talentosos artistas gráficos de nosso país. Dono de um traço inconfundível e apaixonado pelos quadrinhos e pelo Brasil, em mais de quatro décadas de trabalho, mestre Colin criou uma obra riquíssima e essencialmente brasileira. Como nenhum outro artista dos quadrinhos, ele desenhou nosso país de norte a sul, da Amazônia aos Pampas, do Sertão ao Pantanal, das ondas do Rio às montanhas de Minas. Obras como Guerras dos Farrapos, Estórias Gerais e Caraíba, ao lado de inúmeras revistas e HQs curtas, são verdadeiros clássicos de nossos quadrinhos que merecem e deveriam ser sempre reeditados e estar disponíveis.

Infelizmente, ao longo de sua carreira, muitas vezes o grande gênio de nossas HQs não teve o devido reconhecimento por parte dos leitores e a devida valorização pelas editoras. Fato é que o menosprezo e as poucas oportunidades de trabalho foram fatores que contribuíram para os problemas de saúde e o falecimento de Colin em 13 de agosto de 2002. Minha opinião é que meu querido e saudoso amigo morreu de desgosto. Mas, para minha felicidade e honra, entre 1998 e 2002, tive o privilégio de ser seu roteirista, oferecendo-lhe trabalhos dignamente remunerados, na arte que ele tanto amava. Só lamento não ter tido mais recursos na época para produzir mais trabalhos com ele (incluindo o novo álbum sobre o qual conversamos em nosso último telefonema, um mês antes de seu falecimento).

Contando as capas, Colin desenhou para mim 190 páginas de quadrinhos, 150 delas para o álbum Estórias Gerais, as demais para a revista Fantasmagoriana e as histórias menores “A Companhia das Sombras” e “Admirável Novo Mundo” (sendo esta a última HQ que ele desenhou). Para homenagear o grande mestre em seu aniversário de 80 anos, no ano passado enviei a algumas editoras a proposta de uma coletânea de terror com estes trabalhos menores (totalizando 38 páginas de quadrinhos mais capa dupla). Infelizmente, nenhuma delas se interessou por lançar Fantasmagoriana & Outros Contos Sombrios. Quem sabe, no futuro...

Por ora, fica a torcida para que os 80 anos de Flavio Colin sejam lembrados e celebrados por outros blogs, saites, jornais e revistas. Todas as homenagens que ele receber serão mais que merecidas no próximo 22 de junho, que deveria ser declarado um outro “dia do quadrinho brasileiro”.

(Quem quiser saber mais sobre a carreira e os trabalhos do genial Flavio Colin, incluindo uma entrevista e um depoimento exclusivos, basta clicar no nome em destaque abaixo.)

16 comentários:

kris zullo disse...

com certeza hei de homenageá-lo de alguma forma! sempre digo poraí q ele é meu grande mestre das hqs, e sempre o apresento como um gênio nas aulas q leciono (ministro a disciplina técnicas de ilustração I e II para o curso de graduação de design gráfico e produção multimídia no istituto europeu de design). muitos alunos desconhecem o trabalho dele, mas tenho como missão difundir o a obra dele.
belo texto gran srbek! estão aí dois autores q muito e a muito admiro, vc e ele.
ele está no tripé das influências q tive para quadrinizar o homem gravidade zero.
grande abraçø!!

oieuoi disse...

Pena...pena mesmo que mestre Colin não tenha seu reconhecimento em vida.Torçamos para que uma editora,quem sabe a Marca de Fantasia ,consiga tranformar em realidade esse seu projeto Wellington.Parabéns pela lembrança do grande mestre Colin.
Abs,
Zerramos

Wellington Srbek disse...

Toda e qualquer divulgação que fizermos da obra do Colin será sempre bem-vinda, amigo Zullo! Eu tinha planos para um grande livro analisando a obra dele e cheguei a reunir edições de coisas antigas, como Sepé e Vigilante Rodoviário. Infelizmente, esse livro ficará no projeto... Nem todos sabem valorizar a memória do grande mestre de nossos quadrinhos! Mas, viva Colin!!!
Poxa, valeu demais por me incluir em tão ilustre companhia! Vindo de um tremendo desenhista como você, é um elogio que não tem preço!

Wellington Srbek disse...

Olá Zerramos (há quanto tempo não aparecia por aqui!),
Pois é, não terem valorizado o grande mestre em vida foi um verdadeiro crime cometido por nossos editores de quadrinhos. Como digo no texto, só lamento não ter tido mais recursos para investir em novos trabalhos com ele. Resta agora mantermos a memória de sua obra viva e presente!
Valeu!

Aline disse...

Sem dúvida alguma que toda homenagem é pouca a esse grande artista da HQ nacional. Por coincidência, tive contato com alguns de seus trabalhos mais antigos (como o Vigilante Rodoviário) pela primeira vez recentemente, quando estava pesquisando sobre super-heróis brasileiros, mas ainda estou curiosa... Sou uma fã, apaixonada pelo traço belo e o original que ele criou! Está na nossa memória, tanto ele quanto sua obra.

Juliano Kaapora Oliveira disse...

Saudações Wellington! Com certeza, Flávio Colin foi e sempre será um grande representante dos quadrinhos nacionais! Seu traço assim como sua luta pelo quadrinho nacional ficará para sempre como marca desse incansável guerreiro. Seria formidável se alguma editora abrisse os olhos para esse material e nos brindasse com essa belíssima homenagem ao mestre. Seria formidável e torço para que os editores e os leitores vejam o nosso Brasil e nossos artistas com outros olhos. Não desista dessa idéia, estamos contigo nessa torcida. Parabéns pela iniciativa!! Grande abraço

Wellington Srbek disse...

Oi Aline,
Que bacana que conseguiu conhecer essa raridade que são hoje as HQs do Vigilante Rodoviário. Tente encontrar também Sepé e Vizunga - vale a pena!
Abração!

Wellington Srbek disse...

Sabe, Juliano, uma coisa meio triste é que logo após a morte do Colin começaram a ser publicadas HQs que ele passou anos tentando publicar, mas ninguém se interessou (os álbuns Curupira, Mapinguari e Caraíba). Teria sido melhor que estes trabalhos tivessem sido publicados com ele vivo...
Mas vamos ver o que acontece, e desde já obrigado pela torcida!

Anônimo disse...

Wellington,

Não conheço muito os trabalhos dele, mas tenho certeza que deve ser muito bom, como muitas outras obras boas que no Brasil não tem seu devido valor, enquanto há muita porcaria sendo publicada. Essa é uma triste constatação, infelizmente! Mas o nível do seu blog é sempre altíssimo! Parabéns! Vc escreve super bem!
Abraços
Renta

Wellington Srbek disse...

Olá Renata,
Colin é um artista que merece ser conhecido. Há o próprio Estórias Gerais que ele desenhou para mim, que eu acho que você iria gostar de conhecer.
E muito obrigado pelos elogios ao blog! Faço o possível aqui para manter a periodicidade e qualidade dos textos...
Abraços!

Lillo Parra disse...

Srbek,

Você tem razão. Colin era um gênio como poucos no mundo. Seu aniversário de 80 anos deveria ter troféu e busto em praça pública. Infelizmente essa não é a realidade do quadrinho nacional.
Cabe a você, parceiro da última viagem do gênio, de seus velhos amigos e principalmente de nós - fãs de antes, de agora e de sempre - não deixarmos Colin cair nas trevas editoriais. Esquecermos Colin, além de assassinarmos sua genialidade, seria uma derrota sem precedentes da arte brasileira, que ele incansavelmente defendeu.

Wellington Srbek disse...

Com certeza, Lillo! Colin é, ao lado de Kirby, Eisner, Pratt, Tezuka e Breccia, um dos grandes gênios que inauguraram um traço e uma linha nova nos quadrinhos. Ele só não obteve o sucesso e o reconhecimento merecidos, justamente por ter nascido no Brasil e se dedicado a nossos quadrinhos e nossa cultura.
Mas pode deixar que, no que depender de mim, sua memória será lembrada! Na certa, tentarei manter os quadrinhos que ele desenhou para mim sempre disponíveis aos leitores.
Abraço!

Ismael Fancito. disse...

Parabéns pela iniciativa! Um desenhista como Flavio Colin não pode ser uma simples lembrança. Eu podo escrever uma resenha de Fantasmagoriana.

Wellington Srbek disse...

Olá amigo Ismael!
Seria excelente ter uma resenha sua de Fantasmagoriana. Ficarei aguardando!

Diego Vieira disse...

toda homenagem é pouca pra esse mestre. Uma pena que só fui conhecer seu trabalho tão tarde. Ainda assim, sinto-me privilegiado cada vez que vejo um dos seus trabalhos. Tamanha qualidade em nossa terra.

Wellington Srbek disse...

Olá Diego,
Ainda que tenha conhecido o trabalho do Colin recentemente, há muito o que descobrir, pois a obra dele é bem vasta. Nesta e em outras postagens falo um pouco do que ele fez. Não deixe de conferir!