10/06/2008

As aventuras de Fafhrd e Gatuno em quadrinhos.


A divisão em diferentes gêneros literários ou quadrinísticos sempre foi mais um expediente editorial e comercial do que propriamente um princípio criativo. É fácil notar que uma indistinção de gêneros e uma variedade textual são fatores comuns em muitas obras. Um exemplo é Crônicas de Lankhmar: As Aventuras de Fafhrd & Gatuno, lançamento recente da Devir, que mistura elementos de terror e fantasia. Com roteiro de Howard Chaykin, desenhos de Mike Mignola, arte-final de Al Williamson e cores de Sherilyn Van Valkenburg, a edição traz a adaptação de histórias com os personagens criados pelo escritor Fritz Leiber.

Com um título alterado (talvez para fazer ressonância a recentes produções cinematográficas), Crônicas de Lankhmar reúne sete contos lançados originalmente entre os anos 40 e 70, adaptados para os quadrinhos numa minissérie de 1991. Protagonizado por dois ladrões, fanfarrões e beberrões, o volume traz vários componentes fantásticos (como bruxos, monstros e lugares exóticos), encaixando-se no que se convencionou chamar de histórias de “espada e feitiçaria”.Uma referência mais familiar para os leitores brasileiros são as aventuras de Conan, personagem criado por Robert E. Howard. Afinal, assim como nas histórias do bárbaro cimério, nas aventuras de Fafhrd e Gatuno o que manda é a ação, ambientada num período histórico indefinido e em locais geográficos fictícios (como a cidade de Lankhmar).

O clima pseudo-histórico e os anacronismos, no entanto, não atrapalharão a leitura de quem busque uma HQ de aventura com algumas sequências de luta e muitos objetos mágicos (além de nomes sugestivos como Beco dos Ossos, Casa da Peste ou Bulevar do Estrume). O que acaba prejudicando um pouco são os diálogos por vezes confusos e a narrativa fragmentada em alguns pontos do roteiro de Chaykin (mais conhecido no Brasil por seu trabalho nas HQs American Flagg e Black Kiss). Dos sete contos reunidos na edição, destacam-se “A Torre Assombrada” e “O Bazar Bizarro” que extrapolam os esquemas aventurescos de lutas e tramóias. Mas o verdadeiro ponto alto da obra é seu visual, que tem como base o traço contrastado de Mignola (o talentoso desenhista de Odisséia Cósmica e Hellboy).

Trabalho produzido na fase posterior a Batman 1889 (mas anterior à adaptação do filme Drácula), os desenhos de Crônicas de Lankhmar ainda trazem alguns traços e maneirismos dispensáveis (não apresentando toda a força e a concisão das páginas de Hellboy, por exemplo). Contudo, a arte-final de Williamson e, em especial, as cores de Valkenburg colaboram para a ambientação fantástica e o clima sombrio da HQ. Ilustrações nas aberturas dos capítulos, uma introdução de Chaykin e um posfácio de Mignola, além de pequenas biografias dos autores, completam o volume (de 200 páginas em formato reduzido, 17cm x 24cm, capa cartonada e preço de R$45,00). Crônicas de Lankhmar: As Aventuras de Fafhrd & Gatuno deve agradar a quem gosta de histórias de aventura e magia, valendo uma conferida pelos fãs de Mike Mignola.

4 comentários:

naturline disse...

Adar com um imagem maravilhoso.
muito boas, mo' gostou muito, da mesma maneira que o blog, obrigado muito.
alegre e cheio de vida
Enfim… :)

Paulo Ramos disse...

Concordo com sua leitura sobre o rótulo "crônicas", usado no título. Dá um ar meio "Nárnia" à obra e agrega um potencial novo público leitor. Suas resenhas estão cada vez melhores, Wellington. Abração, Paulo.

Wellington Srbek disse...

Valeu, Paulo! Fico muito contente com sua opinião. Está ficando meio difícil continuar com o blog, mas vou em frente enquanto der! Grande abraço, amigo!

Marcelo Terres disse...

Gostei desse post também.

Só me deixou ainda mais curioso para ler essa HQ.

[]s