24/02/08

Chiclete com Banana de Angeli em “edição definitiva”.


Chegou às lojas o quarto número da Antologia Chiclete com Banana, série lançada pela Devir e Nova Sampa como uma seleção dos melhores momentos da revista criada por Angeli. Reunindo HQs curtas, tirinhas, textos satíricos, cartuns e fotonovelas, a edição oferece uma boa dose do humor ácido e cínico que caracterizou a publicação original, tudo no estilo sexo, biritas & nonsense do udigrudi brasileiro, não faltando sequer descuidos na revisão de texto.

Lançada em outubro de 1985, a Chiclete com Banana original teve 24 edições regulares e mais 20 especiais, numa bem-sucedida trajetória que se estendeu até 1995, somando mais de 3 milhões de exemplares impressos. Com desenho e texto influenciados pelo underground francês e norte-americano, o trabalho de Angeli tinha, no entanto, um caráter bastante pessoal, que serviu para consagrar personagens como Rê Bordosa e Bob Cuspe. Aproveitando tirinhas já publicadas no jornal Folha de São Paulo misturadas a novas HQs e desenhos de Angeli, a revista contou ainda com a colaboração de vários cartunistas e humoristas, como Laerte, Glauco, Cacá Rosset e Marcatti.

Símbolo do novo humor que surgia com a abertura política pós-Ditadura, a Chiclete fazia a chamada “crítica de costumes”, ao mesmo tempo em que traçava a crônica de um segmento da vida paulistana. Sem engajamentos a causas políticas ou compromissos com qualquer posição ideológica, a revista atirava para todos os lados, numa proposta pretensamente anárquica. Tendo como base o renome alcançado por Angeli com seus trabalhos na Folha de São Paulo, a revista surgiu como uma iniciativa de Toninho Mendes, através da Circo Editorial. Tendo se especializado na edição de livros de humor, o editor viu na época uma boa oportunidade para a publicação de quadrinhos para bancas, lançando revistas com trabalhos de Angeli, Glauco e Laerte, além da Circo, uma das melhores antologias de HQs brasileiras já lançadas.

Parceiro da Devir na edição de coletâneas de humor desde 2000, Toninho Mendes também é o coordenador editorial da Antologia Chiclete com Banana, que terá 16 volumes, num total de 800 páginas reeditadas. O quarto e mais recente número traz de brinde um pôster colorido com os Skrotinhos e na capa a criação maior de Angeli, a “porra-loca” Rê Borsosa. Sempre regada a vodka, a personagem também aparece numa sequência de tiras sobre seus amantes e em uma história de página única, ao lado de Meiaoito. Outros personagens bastante conhecidos que têm lugar nesta edição são Bob Cuspe, protagonista de duas HQs de página única, e Los Tres Amigos, na história de que fecha o número. O restante da revista fica por conta de novos personagens e sátiras sociais, com destaque para a seção "Rui Resenha", com a biografia de vários mártires desconhecidos do rock. Merece ainda atenção o pôster central “Paulista também trepa”, em que Angeli faz uma “releitura” da sequência memorável de Tempos Modernos de Charlie Chaplin.

Trazendo na capa o subtítulo Edição Definitiva para Colecionadores, a revista tem boa impressão, mas não se enquadra exatamente no que se convencionou chamar de “Edição Definitiva”. Contudo, num tempo de quadrinhos lançados em belos livros a preços caríssimos, a opção por uma coleção de revistas vendidas a R$7,90 talvez se revele bastante acertada. Outro fator que merece registro é a intenção de legitimar a reedição, marcando textualmente o fato de que “Humor também é História”. Embora essa frase seja perfeitamente correta, é no mínimo notável a busca de legitimação histórica para uma revista que sempre se caracterizou pela intenção anárquica e anti-institucional. Talvez o destino dos transgressores do passado seja mesmo se tornar os modelos do presente.

De qualquer forma, para um mercado que tanto negligencia a produção nacional e as obras que fizeram a história de nossos quadrinhos, a publicação de Antologia Chiclete com Banana, bem como dos belos volumes de Piratas do Tietê, é certamente uma notícia a ser comemorada.

9 comentários:

Gustavo Carreira (requiem) disse...

"Talvez o destino dos transgressores do passado seja mesmo se tornar os modelos do presente" - acho que sim, caríssimo Wellington, bem observado.
Abraço

Wellington Srbek disse...

Valeu pela visita, Gustavo!
E para quem ler este comentário, não deixe de visitar também o blog do Gustavo (o link está no nome), pois lá tem umas páginas de quadrinhos e estudos de personagens bem interessantes.

Anderson Cossa disse...

As Tiras do Angeli no Estado de São Paulo são sensacionais!!! A revista Chiclete com Banana, foi um marco nos quadrinhos nacionais. Merece e é bem vinda essa coleção Antologia!

Você encontra um pouco do trabalho
do Angeli on line no:

http://humor.uol.com.br

Abraço!

Wellington Srbek disse...

Devo confessar que Chiclete com Banana nunca foi um de meus quadrinhos favoritos, mas reconheço sua importância e lugar na História de nossas HQs.

:O Bicho... disse...

Chiclete com Banana de Angeli,serviu-me como uma cura de ressaca pós Super-Herois da Marvel.Piratas do Tietê do Laerte,Peter Punk do espanhol Max.Claro que Pena da selva da Disney foi para mim o grande impulsionador para a B.D.alternativa

Wellington Srbek disse...

Destes trabalhos que você citou, meu favorito é Piratas do Tietê, que deverei abordar numa postagem futura.
Abraço!

:O Bicho... disse...

Óptimo aguardo então,não sei se tem aqui no Blog alguma referência à TANK GIRL,uma B.D.Australiana(não me recordo do autor)mas que acho diabólica a maneira como foram inseridos no elenco da histórinha,os vários personagens(cangúrus)futuristas e a moça.

Wellington Srbek disse...

Tank Girl é um quadrinho bem legal. Tenho alguns volumes dele aqui, mas ainda não escrevi nada para o blog. Um dos autores inclusive é o responsável pela visual da banda de rock fictícia Gorilaz.
Abraço!

silvio carvalho disse...

Adoro chiclete com banana, fez parte da minha adolescencia, tenho de rever os quadrinhos.