28/12/2007

Batman: herói dos seriados, filmes e animações (III).


Pode-se dizer que os “filhos legítimos” dos filmes de Tim Burton são, na verdade, os desenhos animados produzidos pela Warner Bros., a partir de 1992. Preparada para se seguir ao lançamento de Batman - O Retorno, a nova série de animação do Homem-Morcego superou todas as expectativas, saindo “muito melhor que a encomenda”. Lançada numa época em que a Internet não havia ainda se difundido, ela estreou no Brasil sem muito alarde, numa manhã de domingo. Por isso mesmo, a surpresa foi total! Já na abertura (com seus tons sombrios e desenhos dinâmicos conduzidos por uma música que vai do soturno ao triunfal), Batman - The Animated Series mostrou que os desenhos animados baseados em quadrinhos poderiam ser produções mais adultas e sofisticadas.

Assim como os filmes de Tim Burton, a animação produzida por Alan Burnett, Eric Radomski e Bruce W. Timm partia de uma temporalidade difusa (que misturava componentes da Art Decó dos anos 40 com elementos dos anos 90). Com arquitetura, roupas e carros antigos, além de um clima sombrio e de gângsteres como bandidos, a nova série animada do Batman não escondia a influência dos filmes noir e das animações clássicas do Super-Homem (produzidas pelos irmãos Fleischer entre 1941 e 1943). E se o visual de alguns objetos e personagens (como o Batmovel e o Pinguim) veio das produções cinematográficas de Tim Burton, o visual do Homem-Morcego saiu do herói Space Ghost criado por Alex Toth (para os Estúdios Hanna-Barbera, nos anos 60) e do próprio Batman desenhado por David Mazzucchelli (para a HQ Ano Um, de 1987). Já o trabalho de animação em si ficou a cargo de estúdios orientais, que aplicaram recursos e inovações trazidos pelo longa-metragem Akira (o clássico de Katsuhiro Otomo, de fins dos anos 80). Por fim, a música-tema de Danny Elfman (adaptada de seu trabalho em Batman - O Filme) e um acertado elenco de vozes (que no caso do protagonista é ainda melhor na dublagem do brasileiro Márcio Seixas) contribuíram para o imediato sucesso da série.

Contudo, recursos técnicos e influências visuais não seriam o bastante se a série não trouxesse também boas histórias. Tendo como referência a abordagem “psicológica” e mais racionalista dos quadrinhos dos anos 80 (como Ano Um de Frank Miller e A Piada Mortal de Alan Moore), os roteiristas buscaram o “lado humano” dos personagens (evitando o maniqueísmo ao apresentar suas motivações). O melhor exemplo disso talvez seja o Cara de Barro, que surge como um perigoso monstro capaz de alterar sua forma, mas acaba se revelando um atormentado ex-ator em busca de uma cura. O mesmo acontecesse com o Sr. Frio, vilão de não muito destaque que teve sua origem recontada, ganhando uma dimensão mais trágica (além de um novo visual criado por Mike Mignola). De fato, a começar do próprio Batman/Bruce Wayne, quase todos os coadjuvantes e antagonistas de suas HQs foram reinventados para a série: do Morcego-Humano e do fiel mordomo Alfred (no ótimo episódio-piloto “Asas de Couro”), passando pelo Comissário Gordon e por Robin, até os vilões Duas-Caras, Mulher-Gato, Charada, Hera Venenosa, Pinguim e, é claro, o insuperável Coringa.

Revitalizado e mais espirituoso que nunca, o Coringa chegou como uma das estrelas da série, ganhando uma versão à altura de sua importância (e a dublagem do ator Mark Hamill no original). E o Palhaço do Crime mostrou que não estava de brincadeira, em episódios como “O Natal do Coringa”, “Seja um Palhaço” e “Um favor para o Coringa”. Este último, escrito por Paul Dinni, trouxe a estréia da impagável Arlequina, a namorada do Coringa que conquistou o coração do público (a ponto de saltar dos episódios da tevê para os quadrinhos da DC Comics). Dinni também escreveu o inspirado “Quase o peguei” (no qual os principais inimigos do Batman contam suas histórias de como eles quase o derrotaram) e o original “O homem que matou o Batman” (no qual um bandido chinfrim espanta o mundo do crime com a alegação de ter matado o defensor de Gotham City). A lista de escritores do desenho animado incluiu ainda veteranos dos quadrinhos, como Len Wein, Marv Wolfman e Dennis O’Neil, que garantiram o ótimo nível médio dos roteiros.

Batman - A Série Animada foi um enorme sucesso de público e crítica, ganhando vários prêmios. Com isso, o desenho animado acabou originando uma coleção de brinquedos e a ótima revista em quadrinhos Batman - O Desenho da TV, além do longa-metragem para o cinema Batman - A Máscara do Fantasma, lançado em 1993. No ano seguinte, o título da série foi mudado para As Aventuras de Batman & Robin, marcando uma nova abordagem que valorizava mais o Menino-Prodígio. Tendo se saído tão bem com o Homem-Morcego, Bruce Timm teve a chance de recriar o outro grande super-herói da DC Comics, produzindo em 1996 Superman - A Série Animada. No ano seguinte, o desenho do Homem-Morcego sofreu outra mudança estrutural, passando a se chamar As Novas Aventuras do Batman. Já em 1998, a dupla dinâmica apareceu no longa Batman & Sr. Frio: Abaixo de Zero, enquanto o Homem-Morcego se encontrou com o Homem de Aço em Batman/Superman: Os Melhores do Mundo. No ano seguinte, foi lançada Batman do Futuro, série que originaria o longa O Retorno do Coringa. Mais recentemente, foi lançado em DVD um quarto filme: Batman - O Mistério da Mulher Morcego.

Esse amplo repertório de animações pavimentou o caminho para as séries Liga da Justiça, Liga da Justiça Sem Limites, Jovens Titãs e a recente Legião dos Super-Heróis. Com uma qualidade técnica e narrativa capaz de agradar tanto a uma criança de 3 anos quanto a um adulto de 33, de um modo geral, os desenhos animados lançados pela Warner nos últimos quinze anos são melhores que os quadrinhos publicados pela DC Comics. Recriando os personagens da editora para a linguagem da animação e o público do século 21, essas séries cativaram novos fãs que, em muitos casos, jamais lerão as versões originais em quadrinhos. Mas o fato é que foi a profunda paixão de Bruce Timm e sua equipe pelos heróis das HQs que gerou Batman - The Animated Series, um dos melhores desenhos animados já feitos.

Para quem quiser conhecer ou rever, as animações citadas aqui já foram lançadas no Brasil em DVD. E para quem quiser saber mais sobre os quadrinhos do Homem-Morcego, clique na palavra BATMAN em destaque abaixo.

8 comentários:

Hiroshi disse...

Realmente os desenhos do Batman na Televisão são obras-primas. Desde Animated Series até o Batman do Futuro, todos são fantásticos...

Brasil Bonilla disse...

Também sou fã deste seriado... Aliás, gosto muito do personagem. Fiz uma microretrospectiva das adaptações do Batman no meu blog que talvez te agrade: http://calha.zip.net/arch2007-12-01_2007-12-31.html#2007_12-05_03_25_02-125983951-26
Abraços,
Brasil

Wellington Srbek disse...

Gosto especialmente do primeiro ano de The Animated Series, que saiu nas duas primeiras caixas de DVD (que infelizmente ainda não pude comprar...). "Asas de Couro" é uma obra-prima! Os episódios com o Cara de Barro também são geniais.

Wellington Srbek disse...

Olá bonilla,
Visitei seu blog e temos alguns temas em comum. Em breve, também escreverei mais sobre o Superman. Mas não deixe de dar uma olhada no arquivo de textos do Mais Quadrinhos.

Marcus disse...

Eu arrisco a dizer que junto ao desenho da Liga da Justiça, é a melhor adaptação que um personagem de quadrinhos recebeu, sou fã mesmo dos desenhos. Com uma menção honrosa ao desenho do Super Homem e do Batman do Futuro. Bruce Timn junto ao Paul Dini estava iluminado quando fez esses 4 desenhos.

Imaginar que eles cancelaram a Liga, pra fazer desenhos de teor bem mais infantil como The Batman, Legião dos Super Heróis e Teen Titãs. Tanto é que parece que eles perceberam a besteira, e estão querendo recriar uma Liga no novo desenho do Batman...

Srbek não se você viu, mas estão pra lançar um DVD em animação prelúdio do novo filme do Batman. Vai se chama "Batman - Gotham Knight" e vai ser nos mesmos moldes do Animatrix, mostrando o que aconteceu com o personagem entre Batman Begins e The Dark Knight.

Eu gostei pacas do Animatrix, então eu acredito que coisa boa possa vim por ai.

Então é isso, um abraço do padawan aqui, e eu espero por um post igualmente legal (Ou melhor) sobre o Homem Aranha, viu?

Wellington Srbek disse...

Concordo com você e estou falando do desenho O Batman na postagem de hoje, e do filme Batman Begins também.
Esse DVD de que você falou promete, pois foi produzido por Bruce Timm, que é o cara que fez a melhor versão do Homem-Morcego fora dos quadrinhos.
Abraço e um ótimo 2008 com muitos quadrinhos a todos!

_Loot_ disse...

Batman the animated series, foi uma verdadeira boa surpresa, que devido á sua grande qualidade deu origem a muitos mais projectos como todos os que referiste.

Nunca vi foi o Batman do futuro sei da sua existência mas ainda não surgiu a oportunidade.

Wellington Srbek disse...

Batman - The Animated Series é, na minha opinião, a melhor adaptação de um personagem dos quadrinhos para outra mídia. Há 15 anos atrás, quando assisti ao episódio-piloto, Asas de Couro, mal pude acreditar na qualidade do que estava vendo. Havia realmente uma proposta e um tratamento artísticos por trás da série - o que não se manteve em alguns dos projetos que surgiram dela.
O Batman do Futuro não é ruim, mas também não é tão bom quanto a série original de 1992-1993.