24/12/2007

Batman: herói dos seriados, filmes e animações (I).


A relação do Homem-Morcego com os longas-metragens e séries para cinema e tevê começou há muito tempo, com a própria criação do personagem em 1939. As tiras de jornal do detetive Dick Tracy, as aventuras radiofônicas do misterioso O Sombra, o personagem Sherlock Holmes dos livros de Arthur Conan Doyle, bem como as máquinas voadoras desenhadas por Leonardo Da Vinci teriam influenciado Bob Kane e Bill Finger na concepção de seu justiceiro encapuzado. Mas, sem dúvida, o novo herói (que batizaram com o nome composto “Bat-Man”) não teria sido o mesmo sem a influência visual dos antigos filmes do Zorro e do clássico The Bat. A ponte do cinema para os quadrinhos voltaria a se estabelecer na criação do principal inimigo do Batman, o insano Coringa, idealizado por Jerry Robinson a partir da figura do ator Conrad Veidt no impressionante O homem que ri. Ao longo das décadas, esse caminho também funcionaria no sentido inverso, com os heróis dos quadrinhos passando para as telonas e telinhas.

No início dos anos 40, o sucesso de Batman e Robin nas revistas e tirinhas de jornal lançou os personagens para uma breve carreira no cinema, com um seriado de episódios curtos. No fim da mesma década, o Homem-Morcego e o Menino-Prodígio ganharam um novo seriado de matinê, no qual enfrentavam terríveis gângsteres. Contudo, nos anos 50, com o declínio nas vendas das revistas de super-heróis, Batman e Robin tiveram suas aparições restritas às HQs. Aqueles tempos de “vacas magras” eram também tempos de “caça às bruxas” nos Estados Unidos, quando a perseguição política e a histeria social atingiram em cheio os quadrinhos, após a publicação do nocivo e preconceituoso Seduction of the innocent do psicólogo Fredric Wertham. Passando a atuar pelas regras do vicioso e prejudicial Código de Ética e despojado de seu lado mais sombrio dos primeiros anos, Batman foi transformado em mais um garoto-propaganda de mensagens moralistas (algo como: “Meu jovem, o crime não compensa!”).

Mas o clima mais arejado dos anos 60 trouxe grandes novidades para Batman e Robin. Afinal, em 1966, os defensores de Gotham City ganharam sua adaptação mais famosa: o seriado para tevê estrelado por Adam West e Burt Ward. Em agitados episódios de meia-hora, a Dupla Dinâmica enfrentava os insuperáveis bat-vilões: Coringa (Cesar Romero), Charada (Frank Gorshin) e Pinguim (Burgess Meredith), só para citar os mais carismáticos. Um sucesso imediato, o programa teve mais de 100 episódios e gerou um longa-metragem estrelado pelo mesmo elenco. A popular produção, na verdade, não tinha muito a ver com o espírito original do Batman. Os cenários e figurinos coloridos, os diálogos hilários, as situações cômicas, além do físico nada atlético de Adam West, refletiam a chamada estética camp, no espírito satírico da década de 1960. As representações gráficas das onomatopéias (POWN!, CRASH!) e as impagáveis falas de Robin (“Santa arapuca!”) são marcas registradas dessa bat-série, que transformou o Homem-Morcego num ícone cultural reconhecido internacionalmente.

A repercussão do seriado foi tanta que, mesmo após seu fim em 1968, muitas HQs e as primeiras animações com o Batman, produzidas nos anos 70, traziam características retiradas dele. Várias pessoas, aliás, conheceram e tornaram-se fás da Dupla Dinâmica sem jamais terem lido uma história em quadrinhos sequer. Eu mesmo, quando criança, passei muitas tardes sintonizado “no mesmo bat-horário e no mesmo bat-canal”, torcendo para que, no último instante, o Homem-Morcego conseguisse escapar das sempre ardilosas (mas teimosamente falíveis) armadilhas de seus inimigos. Bons tempos aqueles! Mas a relação de Batman com o cinema e a tevê não parou por aí, como veremos a seguir.

8 comentários:

Hiroshi disse...

O Morcegão é demais. É meu personagem de HQs favorito...

_Loot_ disse...

Batman é o melhor super herói de BD e Joker o melhor vilão :)

Aproveito apra te desejar um Feliz Natal

Abraço

Wellington Srbek disse...

O Batman é mesmo um personagem muito bacana e importante para os quadrinhos. Estou preparando aqui a continuação do texto, na qual falarei das produções mais recentes.
Meus melhores votos a vocês, leitores fiéis do Mais Quadrinhos!

Marcus disse...

O Srbek eu quero saber por que você diabos não falou do episodio A Feira da Fruta do Batman!?

Alias, falando na serie dos anos 60, eu nunca vou esquecer do episodio em que o Charada processa o Batman por agressão física! Alias, recentemente eu comprei o crossover Planetary/Batman, e na historia é feita homenagem a varias versões do Batman incluindo o do seriado, muito bom.

Aproveitando Srbek, eu deixo aqui uma pergunta: Existe algum personagem que tenha tido mais crossovers que o Batman ? O Cara já se encontrou com todo mundo ! É sempre bom lembrar que em todas só exaltam o quanto ele é fodão ! Batman é foda demais !

Abraço do seu melhor padawan ! =D

Wellington Srbek disse...

Acho que nenhum outro herói teve tantos "crossovers" quanto o Batman. Hellboy, Juiz Dredd, Alien e até Jack o Estripador já se encontraram com o Homem-Morcego em edições especiais.
No seriado dos anos 60, meus episódios favoritos eram os com o Coringa. Mas era sempre muito legal quando no final o vilão do dia amarrava a Dupla Dinâmica numa esteira rolante em direção a uma serra elétrica ou outra ameaça qualquer (isso ao invés de simplesmente atirar neles, ou mesmo tirar as máscaras para descobrir suas identidades secretas). As cenas de lutas também eram demais!

Wellington Srbek disse...

Só para completar, Marcus, faltou citar o encontro entre Batman e Hulk, publicado no início dos anos 80. Além disso, nos anos 70 havia uma revista em que o Homem-Morcego se reunia a cada edição com um diferente herói da DC. Lembro-me em especial de uma edição do Batman com o Senhor Milagre, que foi um dos primeiros quadrinhos que eu ganhei.

Marcus disse...

Ah eu lembro dessa historia do Hulk com o Batman. E tem ate uma coisa engraçada, que só mostra o quanto o Batman é foda.
O Hulk agüenta porrada de todo mundo... Abominável, Coisa, Blob, Rino, Thor, Hercules... Todos os brutamontes da Marvel já deram porrada no Hulk e o cara nem triscou.
Mas com o Batman é outra historia!
O Batman joga um gás do sono pra derruba o Hulk, que tampo o nariz pra não respirar o gás. Qual a solução do Batman? Foi só da um chute na barriga do Hulk, que perdeu o fôlego (!!!) e respirou o gás todo, e caiu no chão duro! Como assim?!?

Batman já derrotou ate o Galactus, o cara é foda !

Essa revista em que o Batman se encontra a cada edição com um personagem, voltou recentemente nos EUA. Na primeira edição ele encontra o Lanterna Verde, e quem desenha é o George Perez.

É isso ai Srbek, abraço do seu padawan numero 1 !

Wellington Srbek disse...

Pois é, às vezes os caras exageram! Ser o "maior detetive do mundo" e um "mestre" em acrobacias e artes marciais tudo bem. Mas daí a vencer caras como o Hulk... Nesse ponto, o Frank Miller também acerta em O Caleiro das Trevas, pois para enfrentar o Super-Homem, o Batman (que não é nada burro) usa uma armadura e kriptonita.