30/11/2007

Flavio Colin, um artista único e sua arte original.


Há 5 anos faleceu Flavio Colin, o maior desenhista da história dos quadrinhos no Brasil. Embora este mestre de nossas HQs seja pouco conhecido pelo grande público, seu traço original e inovador o coloca ao lado de gênios fundadores como Jack Kirby, Hugo Pratt e Osamu Tezuka. É tentador imaginar que, caso tivesse nascido nos Estados Unidos, Europa ou Japão, Colin seria hoje um artista reconhecido e aclamado internacionalmente. Por outro lado, é impossível deixar de constatar que o traço mais característico de seu trabalho é justamente seu caráter intensamente brasileiro.

Desde muito jovem, Colin gostava de ler e desenhar quadrinhos, mas só a partir de 1959 ele pôde se dedicar mais profissionalmente a essa paixão. Em maio daquele ano, foi lançada a primeira edição de As Aventuras do Anjo, a adaptação quadrinística de um popular seriado da Rádio Nacional. Já nessa primeira série, o desenhista exibia um traço sintético que valoriza os contrastes entre massas de preto e espaços em branco. Admirador confesso de mestres como Milton Caniff (Terry e os Piratas) e Chester Gould (Dick Tracy), Colin não se limitava a copiá-los. Apresentando um estilo quase cartunístico e uma ambientação cotidiana, ele imprimiu ao Anjo um visual moderno, povoado de tipos bem brasileiros. Curiosamente, naqueles primeiros anos, seus desenhos receberam críticas de editores por serem “estilizados demais”, não correspondendo ao “gosto dos leitores”, que supostamente tenderiam a preferir o realismo tradicional. Nas últimas décadas, porém, à medida que o Brasil se modernizava, passamos a gostar e nos identificar cada vez mais com o estilo moderno de seu traço. Colin estava à frente de seu tempo!

No início dos anos 60, Flavio Colin firmou de vez sua técnica, em trabalhos como a adaptação do seriado televisivo O Vigilante Rodoviário e a saga regionalista Sepé, além de suas primeiras HQs de terror e da série de tirinhas Vizunga. Mas em 1964, com a derrota do movimento de valorização dos quadrinhos nacionais e o fechamento das editoras a desenhistas brasileiros, o artista teve que interromper sua carreira quadrinística, indo trabalhar como ilustrador publicitário. Apesar de “detestar” o desenho publicitário, Colin só retornaria aos quadrinhos quinze anos mais tarde. Felizmente, ao invés de sufocar o quadrinista, os anos na publicidade apenas fizeram aumentar sua vontade de desenhar HQs. Quando retornou à sua grande paixão em 1978, ele realizou alguns de seus trabalhos mais conhecidos, em colaborações para revistas de terror como a Calafrio ou nos desenhos para álbuns épicos como A Guerra dos Farrapos.

Contudo, nos anos 80, os altos e baixos do mercado editorial novamente afastaram Colin das bancas de revistas. Ainda assim, nas duas décadas seguintes, o grande mestre presenteou-nos com seu traço inconfundível, em revistas de tiragem limitada ou edições independentes, como Hotel do Terror, A Mulher-diaba no rastro de Lampião, O boi das aspas de ouro, Fawcett, Estórias Gerais e Fantasmagoriana (obras-primas do desenho em quadrinhos, que poderiam constar de qualquer antologia internacional). Mais uma vez, a força de seu traço se destacava como a expressão simbólica de uma verdade sociocultural e ambiental: a poética de um Brasil que se revela vivo e único, a despeito de todas as adversidades e influências estrangeiras.

Flavio Colin faleceu na manhã de 13 de agosto de 2002, aos 72 anos, de problemas respiratórios agravados por um enfarte. Artista único, apesar dos vários prêmios que recebeu, em vida ele não teve o merecido reconhecimento, talvez justamente por ter se dedicado com tanto amor à desprestigiada arte dos quadrinhos. Para justificar sua própria insistência em desenhar HQs, o velho mestre costumava dizer: “quadrinho é minha cachaça”. Após sua morte, o talento de Colin começou a ser valorizado pelos editores brasileiros, que lançaram seus últimos trabalhos inéditos, reunidos nos volumes: Mapinguari, O Curupira e Caraíba.
O grande desenhista deixou saudades nos amigos e camaradas de quadrinhos, além dos muitos fãs que aprenderam a admirar seu estilo originalíssimo. Ficou também a triste certeza de que Flavio Colin foi um daqueles raros talentos geniais que o Brasil produz, mas não sabe valorizar devidamente.

4 comentários:

Jaum disse...

Nossa, estava relendo o Estórias Gerais hoje e me maravilhando com as belas paisagens, a fauna e flora, do Colin!

Como sempre, ótimo texto!

abraços!

Jaum

Wellington Srbek disse...

É, o trabalho do Colin está fantástico no Estórias Gerais, e a maioria dos bichos eu coloquei no roteiro só para ver como ficaria no desenho dele, como o gavião no capítulo 2 e o tamanduá na última página, sem falar na Estória de Onça inteira.

Jean disse...

Vi hoje esse seu post sobre o Colin e vc mencionou um trabalho bem antigo dele, o Anjo. Não sei se sabe, mas eu tenho um blog com scans de vários gibis nacionais antigos, e tem um gibi do Anjo lá, desenhado pelo Colin! O link (espero que vc não seja contra os scans, mas se for pode deletar):

http://hqbr.multiply.com/photos/album/29/O_Anjo_15

A partir daí vc pode ir ao índice de gibis e olhar outros gibis lá, se te interessar.

Wellington Srbek disse...

Há alguns anos eu consegui comprar umas três edições de As Aventuras do Anjo, que é um quadrinho bem legal e o verdadeiro ponto de partida para a carreira do mestre Colin.
Sobre os scans, quando se trata de edições mais antigas e totalmente fora de circulação, acho que se justifica. Mas quando os caras do Rapadura escaneiam todo o Estórias Gerais e colocam disponível para quem quiser baixar, aí já é sacanagem, sem falar, é claro, que é crime de violação de direito autoral.
Mas vou conferir seu blog. Grande abraço!